Caixa de texto: MOVIMENTO OÁSIS

VIDAS INTEMPORAIS

(QUE) ILUMINAM TODOS OS TEMPOS

Assim foi o P. Rotondi que tive a graça de conhecer de perto, logo nos primeiros nos da minha vida consagrada! Tempos iniciais em que precisamos tanto de conhecer ao vivo e privar com vidas inteiramente dadas, vidas que entraram no jogo evangélico do “perder a vida para ganhar a vida” por causa de Cristo e…nada mais!

Não sigo os leitores sociais que afirmam com tanta leveza que hoje não há referências para as novas gerações. Preocupa-me, isso sim, a provocação que a modernidade lança àqueles que, como eu, conhecemos e guardamos num silêncio nada fecundo, os Mestres que Deus escolhe e oferece para cada tempo… e quando digo guardar, quero dizer que os exploramos pouco nas dimensões mais profundas das suas vivências e desempenhos, em favor dos outros, de todos os outros, como o fez tão bem e tão belo o P. Rotondi, nas múltiplas formas de Sim e de Serviço.

Os sonhos grandes que partilhou, com sabedoria e humildade, aos animadores e aos jovens, sempre que estava entre nós, eram acolhidos com enorme entusiasmo e escutados com profundo empenho, por se tratar de um mestre que era testemunha. Homem inteiro e presbítero invulgar, pelo que vimos e ouvimos e pelo que nos foi e é dado a conhecer, podemos afirmar que fez uma verdadeira opção pelos jovens, preocupado em rasgar caminhos firmes que os formassem para todas as vocações, com um carinho invulgar pelos chamados a opções radicais como o sacerdócio e a vida consagrada. Nunca é demais relevar a profunda actualidade do caminho de Santidade que não só abriu, mas que paulatinamente sustentou com um projecto formativo humano-espiritual de discipulado para todas as idades e todas as vocações ,à luz da materna pedagogia de Maria - a Ancilla Domini - a Senhora do Sim e a formadora por excelência dos filhos no Filho.

Estou a vê-lo sentado, de caneta na mão a tocar na secretária, marcando o ritmo a que deveríamos propor o movimento aos jovens. Um ritmo firme e acelerado, um ritmo constante e ousado em atingir, em galgar, metas altas, sem descontos e sem glossa, na linguagem de Francisco de Assis, que ele tanto gostava de evocar. E quando digo “estou a vê-lo”, não estou a fazer poesia. Estou a vê-lo mesmo, pois quem de nós não sente vivos os que nos geraram para Deus e para vidas com sentido e beleza, para vidas de serviço por amor! Há vidas que não morrem dentro de nós. Jamais! Passaram nesta terra que passamos, mas permanecem vivas no mesmo, ou melhor, para além do céu azul que nos envolve todos.

Padre Rotondi! Segreda-nos, hoje , a prenda que esperas de nós, teus seguidores e amigos, que, com fé e júbilo, celebramos o centenário da tua vida-dom imenso ao mundo e à igreja que somos.

Ir. Maria Amélia Costa

Franciscana Missionária da Imaculada Conceição

.:2017/2018:. Movimento Oásis: um caminho de vocação. Juventude em discernimento